Cerrado

Definição e aspectos relevantes
O cerrado é formado pelo conjunto de formações vegetais de aspectos e fisionomia variáveis, principalmente de árvores baixas e retorcidas que se misturam a um exuberante estrato herbáceo rasteiro.
Conforme Mário Guimarães Ferri “em sentido genérico, o cerrado é um grupo de formas de vegitação que se apresenta segundo um gradiente de biomassa”.(Os cerrados, um grupo de formas de vegetação semelhantes às savanas. Revista do Serviço Público, FUNCEP, Brasília, 1981.)
O Cerrado ocupa originariamente cerca de um quarto do território brasileiro e é um dos mais ricos ecossistemas da terra.
Área total: 2.100.000 km2
Ocupação humana: 700.000 km2
A sua região nuclear com 150 milhões de km2 situa-se no Planalto Central Brasileiro, estendendo-se pelos estados de Goiás, Tocantins, Distrito Federal, parte de Minas Gerais e Bahia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul e parte do Maranhão, Piauí e Rondônia (SMA/SP,1997).

Segundo o geógrafo Aziz Nacib Ab’Sáber, “o domínio dos cerrados, em sua região nuclear, ocupa predominantemente maciços planaltos de estrutura complexa, dotados de superfícies aplainadas de cimeira, e um conjunto significativo de planaltos sedimentares compatimentados, situados em níveis que variam entre 300 e 1.700 metros de altitude. (O domínio dos cerrados: introdução ao conhecimento. Revista do Serviço Público, FUNCEP, Brasília, 1981.)
Porém, por ser desconhecido foi alvo de exploração indiscriminada, dando lugar a monoculturas como soja, cana-de-açucar e pastagem.
Menos de 3% do Cerrado estão protegidos por unidades de conservação, o que torna vulnerável a parte desprotegida.

Formas de Cerrado:
Cerradão – com vegetação exuberante, composta de árvores altas e matas fechadas.
- Cerrado típico ou stricto senso – com árvores mais espaçadas e de menor porte.
- Campo cerrado – mais aberto que o anterior.
- Campo sujo – possui cerca de 15% de árvores e arbustos, os quais concentram-se geralmente em “ilhas” de vegetação chamados de campos de murundus.
- Campo limpo - com vegetação de gramíneas

Há ainda Matas Ciliares (ou de Galeria) que ocorrem à beira dos rios.

Biodiversidade:
O Cerrado possui uma extraordinária biodiversidade.

Flora:
Apesar de já ter sido descritas um grande número de espécies que ocorrem neste ecossistema, a sua flora ainda não está totalmente conhecida.
Estima-se que a biodiversidade vegetal do cerrado possa chegar a 10 mil espécies.

Seguem algumas espécies encontradas no cerrado.

Aroeira-vermelha (Astronium fraxinifolium);
Benjoeiro (Styrax ferrugeneus);
Candeia (Gochnatia polymorpha);
Capitão (Terminalia argentea);
Capororoca (Rapanea guianensis);
Caroba-de-flor-verde (Cybistax antisyphilitica);
Craibeira (Tabebuia caraiba);
Dedaleiro (Lafoensia pacari);
Embiruçu (Eriotheca pubescens);
Fruta-de-ema (Couepia grandiflora);
Guatambu (Aspidosperma macrocarpon);
Imbiru (Eriotheca gracilipes);
Ipê-branco-do-brejo (Tabebuia serratifolia);
Lixeira (Curatella americana);
Louro-pardo (Cordia trichotoma);
Marmeleiro-do-campo (Austroplenckia populnea);
Pêssego-do-mato (Hexachlamys edulis);
Pimenta-de-macaco (Xylopia aromatica);
Piqui (Caryocar brasiliense);
Tingui (Mangonia pubescens)

Fauna
A fauna do cerrado também é muito rica.

Mamíferos: Lobo-guará (Chrysocyon brachyurus);
Tatu-canastra (Priodontes maximus);
Onça-parda (Felis concolor);
Tamanduá-bandeira (Mymecophaga tridactyla);
Veado-campeiro (Ozotocerus bezoarticus) etc.

Aves:
Calcula-se que existam 66 famílias de aves nos cerrados (Claudia C.da Costa et. all. Fauna do cerrado. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística,1981).
Algumas espécies: Ema (Rhea americana); Perdiz (Rynchostus rufescens); Nhambu-xintã (Crypturelus parvirostris); Seriema (Cariama cristata); Papagaio-moleiro (Amazona xanthops); Ararimba (Galbula ruficauda) etc.

Proteção jurídica
– Lei 4.771/65, art.16 (Código Florestal).
– Lei 9.605/98 (Crimes Ambientais).
O Cerrado, apesar da sua importância, não foi incluído entre os biomas considerados pelo art. 225, §4º da Constituição Federal, como Patrimônio Nacional, o que é lamentável.

Ameaças ao Cerrado
São inúmeros os fatores que têm causado a destruição do cerrado, mas podemos elencar alguns como:
– topografia geralmente plana facilita a mecanização incentivando a sua ocupação.
– explosão demográfica na sua região;
– exploração predatória de madeira para carvão;
– especulação imobiliária;
– falta de políticas públicas ambientais concretas;
– falta de fiscalização nas unidades de conservação, principalmente;
– falta de conscientização ambiental da população;
– monocultura extensiva;
– uso indiscriminado de agrotóxicos poluindo os rios e riachos.
– garimpo e mineração em geral.

Medidas protetivas recomendadas:
– promover o urgente levantamento da biodiversidade do cerrado, através de convênios ou parcerias com entidades nacionais e internacionais, públicas ou privadas, bem como com universidades;
– desenvolvimento de uma política fiscal eficiente e incentivadora da preservação das áreas ainda naturais do cerrado;
– ampliar as vantagens do ICMs Verde;
– incentivar a utilização racional do cerrado, com a criação de medidas alternativas de manejo que favoreçam a manutenção de áreas naturais;
– aumentar o crédito agrícola do proprietário que preserva as áreas naturais do cerrado, condicionando seu crédito a obediência à legislação ambiental;
– estimular a criação de uma rede de parceria entre os órgãos públicos, proprietários e Ongs para colaboração conjunta na gestão de utilização das áreas de cerrado;
– criação de unidades de conservação municipais, estaduais e até federais nas áreas ainda preservadas;
– propor modificações legais para uma melhor proteção jurídica deste ecossistema;
– fomentar a educação ambiental focando-a na questão cerrado;
– averbação da reserva legal.

Conclusão
O cerrado por sua excepcional biodiversidade constitui-se em um dos mais importantes ecossistemas brasileiros, merecendo atenção de todos para que possa ser preservado de forma a não prejudicar o desenvolvimento. Daí a importância de se conhecer os elementos que o formam para através da educação ambiental conseguir o principal objetivo deixar grandes áreas preservadas para as futuras gerações.
Também devemos criar uma legislação específica sobre o cerrado, protegendo-o de forma mais contundente, isto em todas as esferas: municipal, estadual e federal.
Devemos criar e desenvolver planos de preservação do cerrado, bem como de gestão deste ecossistema envolvendo todos, o poder público e a coletividade.

Bibliografia

- AB’SABER, A. N.1962. Contribuição à geomorfologia da área dos cerrados. In: Simpósio sobre Cerrado, São Paulo, , EDUSP, 117-124.
AB’SÁBER, A. N. 1983. O domínio dos cerrados: introdução ao conhecimento, in Revista do Serviço Público, p. 41.
AZEVEDO, L. G. de. Tipos de vegetação do Sul de Minas e Campo da Mantiqueira. An. Acad. Brasil. Ciênc., Rio de janeiro, 34 (2): 225-234
BERTONCINI, A. P. Florística de uma área de cerrado no Município de Agudos, SP. Dissertação de Mestrado. UNESP: Botucatu. Defesa prevista para 1996.
BORGONOVI, M. & CHIARINI, J. V. 1965. Cobertura vegetal do Estado de são paulo. I- Levantamento por fotointerpretação das áreas cobertas com cerrado, cerradão e campo, em 1962. Bragantia, Campinas, 14: 159-179.
COUTINHO, L. M. 1978. O conceito de cerrado. Revista Brasil. Bot., São Paulo, 1: 17-14,
- DIÓGENES, M. B. et al. 1987. O cerradão e sua avifauna na Chapada do Araripe- CE.- Resumos da XI Reunião Nordestina de Botânica, p. 16, Fortaleza.
- DIAS, B. F. S. (coord.) 1992.. Alternativas de desenvolvimento dos cerrados: manejo e conservação dos recursos naturais renováveis. Brasília: FUNATURA. 97 p.
EITEN, G. 1993. A vegetação do cerrado. In: PINTO, M. N. (org.). Cerrado- Caracterização, ocupação e perspectivas. Brasília: Ed. Univ. Brasília.
FERRI, Mário Guimarães. 1983. Os cerrados, um grupo de formas de vegetação semelhantes às savanas, in Revista Serviço Público, , p. 57.
- FONSECA, G. A. B. 1996. Fauna Nativa. Alternativa de desenvolvimento dos cerrados; manejo e conservação dos recursos naturais renováveis. Fundação Pró Natureza (FUNATURA). Brasília, DF, 57-62.
GIACOMETI, O. C. & CORADIN, L. 1996. Conservação ex situ. Alternativas de desenvolvimento dos cerrados; manejo e conservação dos recursos naturais renováveis. Fundação Pró Natureza (FUNATURA), Brasília, DF, 74-76.
- GOODLAND, R. 1969. An ecological study of the cerrado vegetation of South Central Brazil. Montreal, McGILL Univ. (Thesis Ph.D.), 224p.
- GOODLAND, R. e FERRI, M. G. 1979. Ecologia do Cerrado. .São Paulo: Itatiaia/EDUSP. .
- HAY, J. V. & MOREIRA, A. G. 1996. Biologia reprodutiva. Alternativas de desenvolvimento dos cerrados; manejo e conservação dos recursos naturais renováveis. Fundação Pró Natureza (FUNATURA). Brasília, DF, 42-45.
- LEITÃO FILHO, H. F. 1992. A flora arbórea dos cerrados do Estado de São Paulo. Hoehnea 19 (1/2): 151-163, .
- LÖFGREEN, A. 1890. Contribuição para a botânica paulista; região campestre; memória das excursões botânicas de 1887, 1888 e 1889. São Paulo. Comissão geográfica e geológica. 51p. (Boletim 5).
- MANTOVANI.Composição e similaridade florística, fenologia e espectro biológico do cerrado da Reserva Biológica de Moji-Guaçu, SP. Dissertação de Mestrado. Campinas: IB/UNICAMP. 1983.
- MARTUS, C. F. P. von. 1824. A fisionamia do reino vegetal no Brasil. Trad. Bras. Anuário Brasileiro de Economia Florestal, 10: 209-227. 1958.
- RIZZINI, C. T. 1963. A flora do cerrado: análise florística das savanas centrais. Simpósio sobre cerrado, 1, São Paulo, EDUSP, 125-177.
- SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE- sp. 1997. “Cerrado: Bases para a conservação e uso sustentável das áreas de cerrado do estado de São Paulo”. Série PROBIO-SP.
- VIANNA, V. M. 1990. Biologia e manejo de fragmentos de florestas naturais. In: Congresso Florestal Brasileiro, 6, Curitiba, 113 p.
WWF-PRO-CER. 1995. De grão em grão, o cerrado perde espaço (Cerrado- Impactos do Processo de Ocupação). Brasília: WWF.

Temas Gerais

Temas Gerais Variados

Biblioteca

  • Atividades
  • Expediente
  • Mais de 20 anos de existência
  • Parceria / Apoio
  • Registros por espécie/Records by species
  • Sons da Natureza/Sounds of Nature
  • Videos