Pantanal Matogrossense

Definição
O Pantanal Matogrossense na verdade não é um grande pântano como sugere seu nome, mas sim uma enorme depressão que fica no extremo norte da planície platina, onde há formação de inúmeros lagos e lagoas devido as enchentes dos seus rios como o rio Paraguai, o Taquari, Cuiabá, o Miranda e o rio Negro.
Com uma extensão de 240.000 km2 abrange os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, Bolívia e Paraguai.
No Brasil são 200.000 km2.
Costuma-se dividir o Pantanal Matogrossense em várias regiões, pois existem realidades diferenciadas sob os aspectos paisagísticos, naturais e mesmos de forma de ocupação humana, daí que se costuma dividir esta grande área. Aliás, os nomes desta divisão regional ainda não são unanimidade, mas podemos dizer que existem as seguintes regiões pantaneiras:

- Pantanal do Poconé;
– Pantanal do Taquari;
– Pantanal de Cáceres;
– Pantanal da Nhecolândia;
– Pantanal de Barão de Melgaço
– Pantanal de Paiaguás;
– Pantanal do Nagileque;
– Pantanal do Miranda-Aquidauna;

Uma curiosidade interessante é que os primeiros homens brancos colonizadores chegaram à região encontraram vivendo ali entre outros os índios Xaraés, daí o pantanal era chamado anteriormente de o Mar dos Xaraés.
O rio Paraguai, seu principal rio, tem 1.683 kms de extensão no território brasileiro, sendo principal responsável pelo sistema “sui generis” de enchentes na região do Pantanal.
Muitas lagoas que recebem águas dos rios, são permanentes acumulando sal e são conhecidas como salinas. Nestes locais a vida selvagem é exuberante, principalmente de aves pernaltas que se alimentam de minúsculos animais aquáticos.
As maiores cidades da região do pantanal são Corumbá, Campo Grande e Cuiabá, sendo que apenas a primeira está realmente dentro do pantanal, as outras estão próximas.
Observação da vida selvagem
Uma das maiores atrações do Pantanal é sem dúvida a observação da vida selvagem, principalmente o observação de aves (birding), praticado por milhões de turistas que visitam a área.
É difícil indicar alguns lugares para esta prática, ante a grande quantidade de bons locais, mas podemos selecionar alguns.

Observação em estradas de terra:
– Transpantaneira: estrada que liga Poconé a Porto Jofre, com mais de 120 kilômetros de extensão, possuindo cerca de 154 pontes. É um importantíssimo acesso para a observação da vida selvagem que fica nos alagados, rios e lagoas a sua volta.
– Passo do Lontra- é uma região à beira do rio Miranda com certa estrutura e ótimo para a observação da fauna. Há uma estrada de terra que facilita o trabalho que vai do Passo do Lontra até Corumbá, passando pela região do rio Xaraés, também excelente neste sentido.
– Carandazal: estrada de terra que sai da Br362 perto do entroncamento da estrada para Passo do Lontra, indo para o sul. Tem cerca de 46 km, passa por locais ermos de grande beleza cênica, com inúmeras pontes precárias. É um dos melhores locais para observação.
Observação de barco
Uma das mais interessantes formas de observação da vida selvagem no Pantanal é por meio de barco, ante os inúmeros rios que cortam a região, entre eles o: rio Negro, rio Xaraés; rio Aquidauna; rio Taquari e o rio Salobra.
Na observação de rio a melhor forma é “descer o rio” a favor da correnteza, pois assim pode-se desligar o motor em muitas ocasiões, o que facilita a aproximação da fauna.

Biodiversidade
– Flora: muito variada com espécies, predominando as espécies vegetais do cerrado. Destacam-se: Craibeira (Tabebuia caraiba); Sumaúma (Ceiba pontandra); Ipê-roxo ou Piúva (Tabebuia ipe); Ipê amarelo (Tabebuia caraiba); Buriti (Mauritia vinifera); Palmeira acuri (Attalea princeps); Pau-de-novato (Triplaris formicosa);Carandá (Copernicia australis); Cambará (Voschysia sessilifolia); Aguapés (Eichhonia sp).
Fauna: A riqueza da fauna da região pantaneira é imensa. São muitas espécies, destacando a Onça (Panthera onca), o Bugio (Alouatta sp), a Anta (Tapirus terrestris) etc.
A avifauna total do Pantanal chega a mais de 600 espécies, e muitas regiões têm mais de 400, o que o torna um dos ecossistemas mais ricos do mundo em aves.

Ameaças
– desmatamento para agricultura e pecuária;
– exploração irregular de insustentável de madeira;
– invasão descontrolada;
– mineração e garimpos de ouro e cassiterita;
– caça predatória (coureiros)

Legislação protetiva
– Constituição Federal, art.225,§4º : considera o Pantanal Matogrossense como patrimônio nacional

Vocações econômicas do Pantanal Matrogrossense
O Pantanal possui uma riqueza imensurável, tais são a diversidade de seus produtos. Muitas formas de aproveitamento podem ser desenvolvidas, mas todas, sem exceção, devem ser muito bem planejadas para que sejam feitas da maneira que causem o menor impacto ambiental.
Duas das principais são:
exploração do ecoturismo;
– piscicultura

Temas Gerais

Temas Gerais Variados

Biblioteca

  • Atividades
  • Expediente
  • Mais de 20 anos de existência
  • Parceria / Apoio
  • Registros por espécie/Records by species
  • Sons da Natureza/Sounds of Nature
  • Videos