Adeus aos que se vão!

Diversidade de vida
Segundo o biólogo Edward Wilson relata em seu espetacular livro Diversidade da vida (ed.Companhia das Letras, 1994), a terra nunca teve tanta biodiversidade ao mesmo tempo como atualmente. Só para se ter uma idéia conforme informa o citado autor calcula-se que existam entre 5 a 30 milhões de espécies, sendo conhecidas apenas 1,4 milhão.
Para citar um exemplo desta riqueza, no Brasil:
- a Floresta Atlântica abriga 73 espécies de mamíferos;
- 160 de pássaros;
- 128 de anfíbios;
- cerca de 20.000 espécies de plantas;
Que dirá a Floresta Amazônica com seus quase 5 milhões de km2.

Degradação dos habitats
Até aí tudo bem, não fosse o perigo que elas vêm correndo com a degradação de seus hábitats, os quais estão sendo destruídos pelo homem de uma forma assustadora.  Aliás, segundo a FAO ( Organização da Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) cerca de 200 milhões de hectares de florestas foram destruídas entre 1980 e 1995 e continuam a ser destruídas (Bol. nº46, junho/97, ONU em Foco).
Da Mata Atlântica considerada a floresta de maior diversidade do mundo e a mais exuberante, restam apenas 7%.
A Floresta Amazônica, considerada a maior de todas as florestas tropicais, está correndo um seríssimo risco de virar um deserto, ante a extração irregular da madeira e as características de seu solo, além disso a expansão das fronteiras agrícolas está afetando-a muito.
As Florestas da Costa oriental da Ilha de Madagascar onde vivem muitas espécies endêmicas de lêmures estão com os dias contados, para desespero dos cientistas.
A desertificação também vêm aumentando descontroladamente e a água doce está sendo comprometida com a poluição irreversível dos rios e lagos.

Espécies à beira da extinção
Em vista dessa perda e poluição das regiões naturais, muitas espécies de animais estão chegando à beira da extinção. Segundo a Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e Flora Selvagens em Perigo de Extinção (CITES) centenas de animais e plantas em todo o globo estão relacionadas em seus Anexos como espécies em perigo de extinção.
No continente sul-americano:
- o mico-leão-dourado, a ariranha, a onça- pintada, a onça-parda, o tapir, o lobo-guará, o tamanduá-bandeira e outros, encontram-se ameaçados de extinção.
Na África Central:
- a mastofauna vem sendo dizimada principalmente pelos efeitos das infindáveis guerras, tornando crítica a situação de certas espécies como por exemplo os gorilas da montanha que são impiedosamente caçados por hordas de famintos e de guerrilheiros.
Na Europa:
- os lobos e ursos estão praticamente extintos.
Na Índia:
- a floresta de Gir guarda os últimos leões daquele país.
Na Oceania:
- os orangotangos e o rinoceronte de Java são cada vez mais raros, entrando também na lista dos mais ameaçados;
Na China:
- o Panda é um dos principais animais em extinção devido a crescente destruição das últimas “floresta de bambus”.
Quanto aos anfíbios anuros, que compreendem os sapos, rãs e pererecas também encontram-se em franco declínio em quase todo o mundo, muitos também pela poluição trazidas pelas chuvas ácidas que os atinge diretamente já que possuem respiração praticamente cutânea. Os famosos sapos-dourados da Costa Rica agora são apenas imagens fotográficas.
Com referência específica as aves, só no Brasil são 97 espécies relacionadas como ameaçadas, conforme consta no livro Threatened Birds of the Americas (The ICBP/IUCN. The Red Data Book, 1992). A belíssima Ararinha-azu só existe uma em liberdade. A Hárpia a maior águia do mundo praticamente está extinta, restando pouquíssimos exemplares na natureza.
Livros chamados vermelhos com listas de animais ameaçados de extinção não faltam. Na Argentina o livro Los que se van de Juan Carlos Chebez (Editorial Albatroz, Buenos Aires, Argentina.) catalogou centenas de animais em perigo de extinção, mostrando quão é grave a situação também neste país vizinho.
Assim, o aumento da população mundial, a poluição, a necessidade de se expandir as fronteiras agrícolas para dar alimento a toda a crescente população mundial e  a destruição das áreas naturais, principalmente das florestas tropicais, vêm sendo as causas principais de ameaça à sobrevivência das espécies.

O que fazer?
Temos muito o que fazer, a começar por atitudes concretas e enérgicas de preservação das áreas naturais ainda existentes. Como? Através de ações individuais e coletivas como:
- prisão em flagrante de infratores da legislação ambiental;
- exigir das autoridades competentes medidas urgentes de preservação sob pena de se ver processada por prevaricação;
- criação de reservas florestais;
- ajuizar ações populares ou civis quando couberem para que se possa cessar ato danoso ao meio ambiente;
- exigir das empresas melhor qualidade ambiental em seus produtos;
- exercer a cidadania ambiental com atitudes condizentes com os objetivos preservacionistas etc.
Paralelamente devemos desenvolver a educação ambiental, aliás obrigatória atualmente em nosso país em todos os níveis de ensino, conforme a Lei 9.795, de 27.4.99.

Um triste adeus
Portanto, a degradação ambiental e conseqüentemente a extinção dos animais só poderão ser evitadas através de ações concretas preservacionistas de todos nós, juntamente com o desenvolvimento de uma educação ambiental abrangente e efetiva. Caso contrário, estamos sujeitos a perder em poucas décadas este nosso riquíssimo patrimônio natural representado pelos animais selvagens. Em assim ocorrendo, só nos restará guardar suas imagens em nosso patrimônio mnemônico e dar adeus aos que se vão.

Temas Gerais

Temas Gerais Variados

Biblioteca

  • Atividades
  • Expediente
  • Mais de 20 anos de existência
  • Parceria / Apoio
  • Registros por espécie/Records by species
  • Sons da Natureza/Sounds of Nature
  • Videos

Warning: implode() [function.implode]: Invalid arguments passed in /home/storage/5/7c/30/aultimaarcadenoe/public_html/wp-content/plugins/wp-dynamic-meta-keyword-and-description-for-wordpress/wp-dynamic-meta-keyword-description.php on line 21