Soneto à Dadá

SONETO À DADÁ

Cangaceira da peste

Lá está a Dadá

O terror do nordeste

Com seu punhal de “matá”

Mulher de Corisco

Pra matar nem dava um “pisco “

É só valentia

E muita energia

Tendo a morte como rotina

Muitos sangrou

Que Deus logo levou

Ferida de morte

Não teve a sorte

De morrer heroína

————————–

Antonio Silveira. 11 de janeiro de 1995.

Paraty – RJ

(www.aultimaarcadenoe.com.br – Publicação on line em 03.4.2013)

Temas Gerais

Temas Gerais Variados

Biblioteca

  • Atividades
  • Expediente
  • Mais de 25 anos de existência
  • Parceria / Apoio
  • Registros por espécie/Records by species
  • Sons da Natureza/Sounds of Nature
  • Videos