Pedra da Mina, SP – MG, Brasil

Viagens à Pedra da Mina, o topo da Serra da Mantiqueira

A partir de junho de 1994 tivemos (Antonio Silveira e Rafael) a rara oportunidade de visitar, de helicóptero, por várias vezes a Pedra da Mina, situada na Serra da Mantiqueira (22º25’38”S-44º50’33”O), dentro da APA (área de proteção ambiental) federal da Serra da Mantiqueira, na divisa entre os Estados de São Paulo e Minas Gerais, que com seus 2.797m de altitude é o quarto ponto mais alto do Brasil.

Curiosamente, nossa primeira visita ao local em junho de 1994, não foi planejada. Estávamos sobrevoando Queluz,SP, quando vimos um topo de montanha que parecia ser o mais alto da Serra da Mantiqueira na região. Como o tempo estava ótimo, com sol e sem nenhuma nuvem, resolvemos conhecer aquele local alto arredondado e muito bonito. O piloto fez testes de sustentação, ou seja, parou no ar, paralelamente ao topo da montanha e ganhava altura, para ver se o ar rarefeito da altitude poderia prejudicar a decolagem, pois havia o perigo de descermos lá e não conseguir sair. Os testes indicaram que não teríamos problemas. Aí descemos pela primeira vez na Pedra da Mina, mas até então não sabíamos o seu nome. O local surpreendeu-nos pela sua beleza.

A Pedra da Mina ainda não tinha sido corretamente medida, de maneira que não era considerada a quarto ponto mais alto do Brasil, aliás, como dito, não sabíamos que tínhamos estado na referida pedra, ante a dificuldade das cartas geográficas.

Aquele local marcou-nos muito pela sua beleza e vistas deslumbrantes. Passaram-se os anos e acabamos não retornando.

Mas em 09 junho de 2000, ficamos sabendo da medição recente do geógrafo Lorenzo G.Bagini, de uma montanha na Serra da Mantiqueira, que pelas fotos constantes dos jornais indicava ser o local que estivemos em junho de 1994. Como tínhamos perdido as coordenadas, por problemas no GPS antigo, entramos em contato com Lourenço e chegamos à conclusão de que o local medido poderia ser o local que tínhamos estado anos atrás. Assim, convidamos o citado geógrafo e retornamos à Pedra da Mina, para uma expedição de reconhecimento e certificação.

Quando chegamos ao local, indicado pelas coordenadas do geógrafo, constatamos que estávamos pela segunda vez na Pedra da Mina. Aí tivemos a oportunidade de ver o marco de medição colocado me janeiro de 2000 pelo referido geógrafo, constatando-se a altitude de 2.797m, o que colocou a Pedra da Mina, oficialmente, no quarto ponto mais alto do Brasil, ultrapassando então o Pico das Agulhas Negras, que fica mais ao norte. Aliás com tempo bom dá para vê-lo da Pedra da Mina.

Naquele dia, apesar de muito sol e tempo aberto, sem nuvens, a temperatura estava em torno de 6º, mas não impediu de “degustarmos” a vista espetacular. Curioso é que não se houve nenhum barulho lá em cima, apenas o barulho do vento, que é presença constante. Neste mesmo dia, estava eu andando pela crista quando ouvi um chamado fraco de uma ave, e depois de alguns segundos apareceu na minha frente um casal da Garrincha-chorona ou Itatiaia Spinatail (Schizoaeca moreirae), restrita aos altos das cadeias rochosas do sudeste, e principalmente nos altiplanos do Parque Nacional de Itatiaia, ali próximo. Nunca havia sido vista na Pedra da Mina. O que resultou em uma nota científica (1).

Como o tempo estava bom e firme, aproveitamos para sobrevoar ao redor da Pedra da Mina, chegando até o rio Claro que descia da serra, onde deixamos Rafael e Lourenzo e eu e o piloto paramos em outra serra mais baixa, onde ficamos por cerca de uma hora, quando retornamos para “resgatá-los”. Operações que foram feitas com o helicóptero em movimento, chegando a cerca de um metro das pedras do rio, para eles descerem e subirem. Foi sem dúvida uma operação arriscada, mas vale pela aventura espetacular e a oportunidade de pousar em outro local mais baixo da serra.

Em 04 de abril de 2003, retornamos à Pedra da Mina, mas como o tempo não estava bom tivemos que abortar nossa aterrissagem e sair de lá.

No dia 31 de maio de 2003, estivemos por algumas horas na Pedra da Mina fazendo observações, filmagens e fotos.

Em 06 de maio de 2005 e em 05 março de 2015, estivemos novamente na Pedra da Mina, quando tiramos fotos e filmamos. Em nenhuma destas últimas vezes vimos mais a garrincha-chorona.

Estas foram as vezes que estivemos neste local mágico e de beleza indescritível, em especial dos seus CAMPOS RUPESTRES, que devem ser preservado e futuramente transformado em unidade de conservação mais protegida do que uma APA.

por Antonio Silveira R. dos Santos
Criador do Programa Ambiental: A Última Arca de Noé
www.aultimaarcadenoe.com.br

Agradecemos à Rafael pela participação nas expedições com seus helicópteros, possibilitando nossa ida ao local de tão difícil acesso, bem como aos seus hábeis pilotos Antonio, Perovano e Vidal.

obs:

(1).      SANTOS, A.S.R. 2000. Primeiro registro documentado da garrincha-chorona, Schizoeaca moreirae, para o Estado de São Paulo. Boletim n.º 14/ julho 2000 do CEO (Centro de Estudos Ornitológicos). (veja o video do registro abaixo.

VIDEO- Garrincha chorona (Oreophylax moreirae) Pedra da Mina, SP, 9-6-2000. Antonio Silveira

Viagens à Pedra da Mina:

1-     em 16 junho de 1994.  (VÍDEO)

2-     09 de junho de 2000.   (VÍDEO)

3-     22 de dezembro de 200

4-     04 de abril de 2003

5-     31 de maio de 2003

6-     06 de maio de 2005

7-      05 março de 2015  (VIDEO)

Vídeo: veja um dos vídeos clicando aqui

Fotos do autor:

PedradaMina3-SP-BR-5-3-15-ASilveira

Flora9-PedradaMinaSP-BR-5-3-15-ASilveira

PedradaMina1-SP-BR-5-3-15-ASilveira

AS-Rafael-6-PedradaMinaSP-BR-5-3-15-ASilveira

Flora2-PedradaMinaSP-BR-5-3-15-ASilveira

Flora3-PedradaMinaSP-BR-5-3-15-ASilveira

——————————————-

Antonio Silveira: last update: 31.12.2014.

Temas Gerais

Temas Gerais Variados

Biblioteca

  • Atividades
  • Expediente
  • Mais de 20 anos de existência
  • Parceria / Apoio
  • Registros por espécie/Records by species
  • Sons da Natureza/Sounds of Nature
  • Videos